21.12.07

What a Wonderful World by Louis Armstrong

Feliz Natal e Prospero 2008

11.12.07

Eerie Feeling

In the towns I am tracked by phantoms
having weird detective ways
Thomas Hardy
Obs: fotografia roubada algures. Lamento.

7.12.07

A Grande Viagem

"Tem uma negona véia cantora lá da ilha de Cabo Verde, na África, que eu sou apaixonado! O nome dela é Cesaria Évora! A mulher canta no dialeto Crioulo, um português que não é português mas acaba sendo português, sabe? O mais estranho é que tu ouve e jura que tá sabendo o que ela tá cantando, quando não tá sabendo porra nenhuma. Eu até copiei um texto na internet escrito em crioulo, olha que viagem: "Kamaradas ku jintis ku na sukutanu, bô tardi. Bu kontinua na sukuta Radio Difusão Nacional di Republika di Giné-Bissau. Na studiu no tene uma ora mas trinta minutu. No na tchoma bos atenson pa prezentason di no noba di uma ora i trinta minutu di tardi na kriolu Mil novisentus oitenta i oitu anu di ristruturason i ifisiensia, tona kunpu kusa ku bali. No na kontinua ku aparelhu di stadu kunumeru di djintis ciu ku ka prisisadu, ku ta aumenta grava pesu di gastu ku salariu, ki ta punu no ka ta bin pudi paga salariu justu pas kilis ki na bardadi e ta tarbaja e ta pruduzi. Es i konbersa di General di Divison Jon Bernardu Vieira, Sekretariu Geral di PAIGC i Prezidenti di Konselhu di Stadu."
Agora, imagina isso cantado...baixa uma músia dela: "Nutridinha".
.
Que grande viagem... eh eh! Está em: As Mulatas de Jesus Cristo.

4.12.07

Na tarde do dia 30 de Julho de 1967...

A maioria das pessoas - pelo menos até à minha geração - que viveu na Praia, nas décadas de oitenta e noventa, conhece ou já ouviu falar do Senhor Hilário Brito. Num tempo em que não havia parabólicas e/ou outras opções, o sinal que a antena dele emitia era a alternativa certa sintonizada em muitas televisões desta cidade. Uma grande figura da Praia sem dúvida.
Clicar no nome do post para descobrir mais.

30.11.07

“Breves Apontamentos sobre as Formas Musicais existentes em Cabo Verde” por Margarida Brito

Queria chamar a atenção para este texto, de 1998, que pode ser lido em At-Tambur.com. Começa assim:
"Cabo Verde, ao longo da sua história, elaborou uma música tradicional de uma surpreendente vitalidade, recebendo, mesclando, transformando e recriando elementos de outras latitudes, que acabaram por dar origem a géneros fortemente caracterizados e enraizados no seu universo.
Os ritmos assim nascidos traduzem toda a idiossincrasia deste povo e constituem, antes de mais, verdadeiras crónicas vivas e expressivas da sua vida, como companheiros de trabalho, exprimindo a alegria, a nostalgia, a esperança, o amor, a jocosidade, o apego à terra, os problemas existenciais bem como a própria natureza.
É assim, que vamos encontrar muitos géneros vocais e instrumentais comuns a várias ilhas; outros próprios de uma só ilha, de duas ilhas vizinhas ou mesmo distantes; quase todos eles monódicos, às vezes em uníssono e a solo.
Nas ilhas agrícolas, nomeadamente St. Antão, S. Nicolau. S. Tiago, Fogo e Brava, onde o homem cuida da terra que lhe dá o pão para o seu sustento, decerto à custa de dificuldades várias, iremos encontrar as cantigas agrícolas umas vezes doloridas outras alegres. (...)"

O artigo completo pode ser lido aqui ou In “Os Instrumentos Musicais em Cabo Verde”, pp. 13 a 25, Ed. Centro Cultural Português / Praia – Mindelo

19.11.07

Poema


Ró-Rojinha perguntas porque não ponho nada de novo. É uma daquelas fases. O melhor é ficar parada para não deletar tudo. Mas olha... ando a ouvir esta musica. É linda. Presta atenção ao Poema. Bijin.

8.11.07

Outra vez "Perdão Emília"

Um dos posts mais visitados deste blog pelo pessoal do Brasil é o “Perdão Emília, Morna, Modinha ou Fado de Coimbra?” de 12 de Maio de 2006. As palavras chave utilizadas para chegar até ao texto são “Perdão Emília” e “Noivado do Sepulcro + Soares de Passos”. O post surgiu por acaso, fruto de uma - de muitas - "briga teimosa" que eu e o Senhor Loiojoais travamos e que nos levou a descobrir que a morna afinal nem é morna, podendo a letra bem mais antiga do que se pensa (1889) ou pelo menos as suas influências. Hoje estive a “re-sgrovetar” no assunto e coloquei outros dados: Perdão Emília foi a primeira modinha a ser gravada pela Casa Edison (Brasil) em 1902 e em 1906 ocupou o 13º lugar do Top 40 brasileiro. Falta-me apenas acrescentar a letra da versão que recentemente foi gravada por um cantor caboverdeano para actualizar o post do ano passado. Fica a sugestão de leitura, para quem estiver interessado e com tempo - uma vez que, penso eu, é o maior post que já publiquei.
Imagem: The Bride de Marc Chagall (pormenor) - daqui.

7.11.07

Uma madrugada surreal

Quando acordo de madrugada – por motivos mil – vou ao meu pequeno quintal, em forma de aquário embaciado e conto todas as estrelas que consigo observar enquanto fumo um cigarro. O rectângulo de céu que contemplo, ladeado por muros altos, é sempre diferente.
Numa noite dessas, uma brisa suave desfiava as nuvens, desenhando no firmamento o efeito de um riacho que corria tranquilo lá no alto. Estendi a mão, fazendo de conta que mergulhava na água, e tentei apanhar um dos brilhantes que luziam caídos no leito.
Algo de surreal aconteceu… o riacho mudou de curso. Deslizou do céu numa obliqua à parede branca e veio desembocar no meu quintal feito cascata de luz. Dei por mim flutuando no delírio de me afogar… como os meninos do conto de Gabu. Nesse momento, enquanto o cigarro se consumia sozinho, alaguei a alma em soluços mudos ou, se calhar, foram apenas os meus olhos que se derramaram… não sei.
Seguidamente o ribeiro desenhou o seu caminho de volta numa linha alada. Ainda quis guardar uma estrela de recordação, assim como quem guarda a continha de vidro de um colar bonito que se partiu, mas já não valia a pena. É melhor idealizar o todo, ainda que evocado, do que a mera visão do fragmento que não mais será.
Nessa madrugada parei de contar na quadragésima oitava estrela Tio. Penso que vou deixar de tentar entender o porquê. Seria uma grande decepção confirmar que podemos todos estar aqui por fruto do mero acaso e da mesma forma partimos. - Quadro de Rachel Bullock tirado daqui.

30.10.07

Rádio Clube Mindelo - CR4AB

Já sabem que me eu acho piada a estas "velharias".
.
" (...) Criada em 1946, a Rádio Clube do Mindelo iniciaria as suas emissões em Junho de 1947, emitindo ás terças, quintas, sábados e domingos entre as 18H e as 19H30mn. Dez anos mais tarde, a proclamada “Voz de São Vicente” emite diariamente, na banda dos 62 metros, frequência de 4.755 kc/s das 18h30 às 20h. Com uma programação variada que incluía desporto, actuações em directo e, na década de 60, o seu próprio concurso de músicos e conjuntos á semelhança da Rádio Praia.
Em Junho de 1954, o Grémio Recreativo do Mindelo apresentava aos sócios a aparelhagem destinada ao seu serviço de radiodifusão. Um ano mais tarde, com apoio estatal, nascia a Rádio Barlavento, emitindo diariamente na banda dos 50,2 metros, das 18h30 às 19h30. Funcionando no edifício do Centro Nacional de Artesanato e antiga casa do senador Vera-Cruz, e ali foram realizadas as primeiras gravações editadas em disco.
A Rádio Barlavento, considerada elitista por ser originária da elite mindelense, e anti-independentista, foi ocupada a 9 de Dezembro de 1974 e transformada em Rádio Voz de S. Vicente que , tal como a Rádio Clube de Cabo Verde veria a desaparecer com a criação da Rádio Nacional de Cabo Verde que as absorveu. (...)" por Glaucia Nogueira
.
Ler mais em RTC.CV

24.10.07

Sedução

Eu e ela concordamos… foi uma das cenas de sedução mais encantadores que já apreciamos. Ela ainda acrescentou que só faltou um holofote para tudo ser perfeito. Foi doce. Terno. Irreal. Havia duas pessoas adultas e o resto do mundo que se apagou. Acho que o tempo se deteve, envolvido que estava com a melodia da morna e todos nós ficamos, de certa forma, invisíveis. E ela e eu na deles… hipnotizadas. Se calhar alguém também nos observava enquanto guardávamos o momento. A conversa entre os dois demorou uns poucos minutos mas foi o leve bailado dos movimentos que manteve o nosso olhar preso. Houve um sorriso tímido, derretido… uma linguagem corporal sensual que parecia acompanhar a voz rouca do cantor. Arrepiou, na sala de espectáculos, o toque daquela mão no antebraço do outro e o brilho na face de quem se deixou enfeitiçar. Foi quando tive a impressão de estar a pairar que eu e ela nos entreolhamos. Sorrimos. Nós cá dentro observando. Eles lá fora se curtindo, descobrindo, cativando… Depois? Depois soltamos o fôlego e voltamos a prestar atenção ao show. Ela e eu testemunhamos a beleza do momento e concordamos - horas mais tarde, em conversa - que foi das cenas de sedução mais bonitas que presenciamos, pouco nos importanto que eles fossem do mesmo sexo, é que... para seduzir apenas é necessário génio e não géneros.

C’mád espero ter feito alguma justiça ;)

16.10.07

O Tempo e o...

Ser Tigre
.
O tigre ignora a liberdade do salto
é como se uma mola o compelisse a pular.
Entre o cio e a cópula
o tigre não ama.
Ele busca a fêmea
como quem procura comida.
Sem tempo na alma,
é no presente que o tigre existe.
Nenhuma voz lhe fala da morte.
O tigre, já velho, dorme e passa.
Ele é esquivo,
não há mãos que o tomem.
Não soa,
porque não respira.
É menos que embrião
abaixo do ovo,
infra-sémen.
Não tem forma,
é quase nada, parece morto.
Porém existe,
por isso espera.
Epopéia, canção de amor,
epigrama, ode moderna, epitáfio,
Ele será
quando for tempo disso.
.

Nueva refutación del tiempo
.
El tiempo es la sustancia de la que estoy hecho.
El tiempo es un río que me arrebata, pero yo soy el río;
es un tigre que me destroza, pero yo soy el tigre;
es un fuego que me consume, pero yo soy el fuego.
El mundo, desgraciadamente es real; yo desgraciadamente soy Borges.

15.10.07

Guiné... Do Séc. XIII a princípios do Séc. XX

O texto e as ilustrações que seguem são a primeira parte de um post que se encontra no blog Guiné, Ir e Voltar.

"No século XIII, chegam a esta região da costa ocidental de África os povos naulu e landurna, na sequência do declínio do império do Ghana. É já no século XIV que esta zona passa a integrar o vasto império do Mali, vindo os primeiros navegadores portugueses a estabelecer contacto com ela em 1446-47.Inicia-se então um longo processo de implantação do monopólio comercial na região, incluindo ouro e escravos, o qual vai ser, durante muito tempo, frequentemente e sobretudo contestado por corsários e traficantes franceses, holandeses e ingleses. Em 1588 os portugueses fundam, junto à costa, em Cacheu, a primeira povoação criada de raiz, a qual será sede dos capitães-mores, nomeados pelo rei de Portugal, embora sob jurisdição de Cabo Verde. Seguir-se-á a criação da localidade de Geba, bem no interior do continente. Em 1642, os portugueses fundam Farim e Ziguinchor, a partir da deslocação de habitantes de Geba, dando início a uma ocupação das margens dos rios Casamança, Cacheu, Geba e Buba, a qual se torna efectiva em 1700, passando então a zona a ser designada por Rios da Guiné. Amura, século XIV (Travassos Valdez, África Ocidental).
Entre 1753 e 1775 inicia-se a construção da fortaleza de Bissau, a partir do trabalho de cabo-verdianos vindos especialmente das Ilhas de Cabo Verde para o efeito. Em 1800 a Inglaterra começa a fazer sentir a sua influência na Guiné, iniciando a sua reivindicação pela tutela da ilha de Bolama, arquipélago dos Bijagós, Buba e todo o litoral em frente. Com a abolição da escravatura no século XIX, sobrevém uma crise económica que tem como consequência o início da produção de novas culturas, como a mancarra (amendoim) e a borracha. Em 1870, por arbitragem do presidente dos EUA, Ulysses Grant, a Inglaterra desiste das suas pretensões sobre Bolama e zonas adjacentes. Com a vitória militar dos felupes de Djufunco, em 1879, no que ficou a ser conhecido na história como o “desastre de Bolol”, onde os militares portugueses sofreram a mais dura derrota no confronto com as populações locais, a coroa portuguesa decide a separação administrativa de Cabo Verde e a criação da “Província da Guiné Portuguesa”, com capital em Bolama. Numa tentativa de afirmação da soberania portuguesa, verifica-se então o início de acções militares punitivas contra os papeis em Bissau e no Biombo (1882-84), os balantas em Nhacra (1882-84), os manjacos em Caió (1883) e os beafadas em Djabadá (1882). A estratégia colonial passa igualmente por uma segunda vertente: o apoio sistemático com tropas e armamento a uma das partes dos conflitos indígenas. É o que se passa em 1881-82, com o apoio aos fulas-pretos do Forreá na sua luta com os fulas-forros. Os focos de contestação e a rebelião permanente e consequente dos diversos grupos étnicos fez com que o poder colonial se limitasse ao controlo de algumas praças e presídios (Bissau, Bolama, Cacheu Farim e Geba). Paralelamente, começa a instalação de propriedade de colonos ou de luso-africanos, em várias explorações agrícolas de grande dimensão (pontas) inicialmente dedicadas ao cultivo da mancarra. Em Maio de 1886, são delimitadas as fronteiras entre a Guiné Portuguesa e a África Ocidental Francesa, passando a região de Casamança para o controlo da França, por troca com a região de Quitafine (Cacine), no sul do país. A população desencadeia a partir do final do século XIX uma decidida vaga insurreccional em Oio (1897 e 1902), no Chão dos Felupes (1905), Badora e Cuor (1907-08) e a Guerra de Bissau (1908) que juntou Papeis e Balantas do Cumeré.
Fotografia em cima: Estatua de Ulisses Grant em Bafatá.
.
O resumo continua... A meio desta página do Tantas Vidas está a parte que diz respeito à Historia da Guiné-Bissau no Séc. XX

11.10.07

A proposito da Guiné... Didinho.Org

Tenho evitado falar da Guiné porque penso que as memórias que tenho dela são idealizadas e retorcidas. Daí que não queira traduzir nenhum tipo de saudade passadista. Posso dizer, apesar de todas as vicissitudes, que a minha infância foi mágica e feliz (e um dia escreverei sobre isso). Claro que, generalizando, todos pensam o mesmo da meninice. Infelizmente a Guiné de hoje apresenta um cenário triste e um futuro sombrio. E, tenho que o expressar, acho que os muitos caboverdeanos que lá nasceram, cresceram e se fizeram adultos, a abandonaram. É a própria História a confirmar essa premissa quando, em 1980, com o Golpe de Estado, o C do “Dôs Corpu um Corçon” se liberta, com um grande alívio, do G. Em Cabo Verde, às vezes, fico com a sensação que a única herança que restou, para quem lá viveu, são as comidas típicas como o tchabéu, o caldo de mancarra ou outras, que se degustam, sem remorso ou amargo de boca, em grandes almoçaradas. Nessas ocasiões há o ritual de recordar a infância e vida na altura, com um saudosismo quase idiota, sendo a presente conjuntura, a maior parte das vezes, higienicamente ignorada. Raros são os que sequer lá voltaram. Aquele país deu muito aos caboverdeanos, incluindo uma Independência sem sofrimentos, sem viúvas e/ou órfãos, sem traumas e mutilados. Muitos dirão que a vida continua. É verdade, mas a mim, confesso, faz-me falta esse pedaço, o lugar da minha mininéça. Imagino o que não faltará aos outros...
Há muitos sites com o objectivo de divulgar o que acontece, presentemente, na Guiné-Bissau e Didinho.Org é um deles. A descobrir porque as palavras e as ideias ainda podem ajudar a mudar o mundo. Obs: Fotografia de Hugo Delgado

6.10.07

Recordar Travadinha em "Maria Barba"

De seu nome verdadeiro, António Vicente Lopes, o violinista Antoninho Travadinha foi um dos maiores músicos autodidactas de Cabo Verde, originário da ilha de Ilha de Santo Antão. Começou a tocar nos bailes populares quando tinha apenas nove anos, mas só alcançou a fama já nos seus quarenta anos, quando empreendeu uma tournée por Portugal. Para além do violino, Travadinha tocava também maravilhosamente bem viola (guitarra de 12 cordas), cavaquinho e violão. Travadinha interpretava géneros musicais tradicionais de Cabo Verde, tais como mornas e coladeiras. Faleceu em 1987 no auge da popularidade. Foi, sem qualquer dúvida, um dos mais talentosos violinistas (tocadores de rabeca) de Cabo Verde. Nasceu numa família de músicos. O seu pai também era violinista e os seus sete irmãos tocavam violão. Com que mais poderia brincar uma criança que com os instrumentos musicais que encontrava pela casa? Aos nove anos, e apesar do pai o proibir de tocar, ele já animava bailes locais com a sua rabeca. Devido à sua humilde condição social o seu reconhecimento não foi fácil: Travadinha teve que esperar até aos seus 40 anos para começar a tornar-se conhecido como músico, particularmente depois de, em 1981, ter realizado uma série de actuações em Portugal. Da wikipedia.org. "Entre 1981 e 1986, Travadinha deslocou-se duas vezes a Portugal, ocasiões em que gravou os seus dois discos existentes no mercado: o primeiro, ao vivo, resultante de um concerto no Hot Clube em 1982; o segundo, “Feiticeira de Cor Morena”, em 1986. Ambos produzidos pelo fotógrafo e investigador português João Freire. Em Novembro deste ano o violinista de Janela, Santo Antão, completaria 70 anos. Também este ano, completam-se duas décadas do seu falecimento." Na Semanaonline.

1.10.07

Desvendando "O Segredo"

A Marisa emprestou-me o “The Secret”. O livro vem de um filme que, ao que parece, provocou uma autêntica revolução por este mundo fora. Pelo menos assim se lê em centenas de páginas na net. O mote? “The Secret Gives You All”. E afinal qual é Segredo? A Lei da Atracção. No primeiro momento, li algumas páginas na diagonal, e pensei que fosse mais uma dessas teorias New Age ou esses livros de Self Improvement que existem. Até é… mas a ideia geral acaba por pertinente, provocadora e engraçada. Somos e possuimos o que projectamos com os nossos pensamentos. Os negativos e os positivos. No fundo os pensamentos têm um determinado cumprimento de onda e quando pensamos em algo (acho que me estou a explicar bem) esse pensamento vai à procura de algo com idêntico cumprimento de onda para cumprir o nosso desejo. Mais, devemos pensar em nós como antenas emissoras de sinais e ter em atenção os pensamento negativos. Resumindo, atitudes pessimistas só trazem mais coisas más à vida das pessoas. E as atitudes positivas, o tal pensamento positivo, resulta. É só querer. Pois "(...) o que acontece dentro de nós é que vai criar o que acontece fora. Existe uma realidade física que é absolutamente sólida mas só começa a existir quando colide com outro pedaço de realidade física." (daqui). Eu ainda não acabei de ler O Segredo. Estou na parte em que se aprende a utilizá-Lo (me aguardem!) e quis partilhar. O You Tube tem os primeiros 24 minutos do filme que deu origem ao livro. Se me atrapalhei na explicação (acredito que sim) o site oficial é: http://thesecret.tv/home.html.

24.9.07

Descobrir: João da Silva Feijó

O Ceará está hoje tão perto de Cabo Verde… Essa ligação trouxe-me à memória o percurso de vida do naturalista João da Silva Feijó (1760-1824) que descobri, há uns tempos, num dos muitos “sgrôvets” pela net.
João da Silva Feijó foi um naturalista luso-brasileiro comissionado pela Coroa portuguesa, na transição entre os séculos XVIII e XIX, para fazer investigações em história natural. Foi enviado para as ilhas de Cabo Verde (1783-1797) e para a capitania do Ceará, no Brasil (1799) (daqui).
O interessa por Cabo Verde, na época, era "sobretudo estratégico nas rotas dos navios que sulcavam o Atlântico. Não tendo muito mais para dar além da urzela, os produtos que o ministro reclamava a Feijó eram o salitre nativo e o enxofre. O enxofre, por constituir os alicerces da indústria química; o salitre, que então se importava manufacturado do estrangeiro, para baixar assim os custos da pólvora. Não os encontrará em Cabo Verde, entre as lavas expelidas pelo vulcão, pelo menos em quantidade que justificasse extraí-los. Mas muitos anos depois, já de regresso ao Brasil, fundará no Ceará um laboratório para extracção do salitre da Mina de Tatajuba, descoberta por ele." (daqui)
Deixou várias publicações, sobre o Ceará - "Memória sobre a Capitania do Ceará, 1814" - e estas ilhas. Sobre as últimas destaco: Memória sobre a fábrica real de anil da Ilha de Santo Antão, 1789; Memória sobre a urzella de Cabo Verde, 1815; Memória sobre a última erupção vulcânica do Pico da Ilha do Fogo, sucedida em 14 de Janeiro do ano de 1785, observada e escrita, etc..., 1814; Itinerário Filosófico que contem a relação das ilhas de Cabo Verde, disposta pelo método epistolar, 1783. (capa como ilustração do post). Ficou a vontade de descobrir, on line, alguns desses documentos...
Vale a pena ler sobre a vida e obra de João da Silva Feijó. Para além de outras informações espalhadas pela net, esta página contem três artigos que dão uma ideia geral de quem ele foi e o que deixou escrito. Não deixar de passar os olhos pelas as cartas, onde ele descreve as ilhas Brava e Fogo. Por último, segundo Magnus R. de M. Pereira, em Cabo Verde, o então jovem João da Silva Feijó foi um naturalista num ninho de cobras... Para quem tiver mais tempo, está tudo aqui.

22.9.07

Ismael Lo - Tajabone

Lembras-te?

20.9.07

Descobrir: Mail Art

Mail art réalisé par Christine Le Roy sur la terrasse du
Mindel Hotel notre Quartier Général à Mindelo, Cap Vert.

18.9.07

Ao 100º Post...

É nova... esta sensação de repouso que a folha de papel virtual me vem transmitindo através do ecrã do PC. Não há ansiedade provocada pela tristeza ou palavras enegrecidas de melancolia. Não há pensamentos tumultuosos, vontade de compartilhar factos interessantes ou divagações loucas. Não há inspiração. Não há nada. Há paz... É curioso.

10.9.07

Bijagós - Memórias de um pai

Após a separação dos meus pais, aí por volta dos meus dez anos, passei a fazer parte do espólio do meu velho. Ele, aos 33 anos, com o fim do casamento, reinventara-se marinheiro errante e pescador, desventurado que estava com o início da guerra que o impedia do de circular pelas estradas da Guiné. Já lhe estava na matriz de ilhéu o destino de ser um deambulante incansável e, na altura, a pretexto de uma fuga imaginária, transferiu a sua sanha de aventuras para a descoberta um arquipélago desconhecido, onde poderia livremente saltar de uma ilha para outra. Um lugar onde as lágrimas que foi vertendo, certamente a olhar para lá das ilhas de Caravela e de Unhocomo, se foram diluindo na mistura baça resultante do encontro das águas do Rio Geba e do Atlântico. O horizonte longínquo que em algumas ocasiões pairava no seu olhar perdido foi-me decifrado numa manhã solarenga, de mar prateado, com vento de través, no canal entre as ilhas de Uno e Orango, quando murmurou, agarrado à cana do leme que aquela canoa, a sua “Ave do Paraíso” como carinhosamente a apelidava, certamente que aguentaria ir até à ilha de Santiago em Cabo Verde. Mal sabíamos os dois que, quase 40 anos depois, milhares de africanos, a fugir da miséria e instabilidade, desafiariam o destino e as intempéries nessas frágeis embarcações para chegarem tanto às ilhas de Canárias como às ilhas creolas.
O desterro voluntário do velho, por longos períodos, tinha sido a encantadora ilha de Sogá no arquipélago dos Bijagós. E eu, orgulhosamente só em Bissau. Os meus outros dois irmãos mais novos, o Rui e o Djoi, tinham acabado por regressar à protecção e segurança do lar materno. Lá ia aguentando menos-mal a casa da madrasta onde nunca me integrei.
Tornei-me também, junto de outros companheiros de mais idade do Bissau Velho um aventureiro incorrigível de caça, dos banhos e pesca de bentaninhas e bagres nas bolanhas próximas da segunda ponte, lá para os lados de Bulola. Nadávamos em grande algazarra e descontraidamente junto de grandes saltões, de sapos, de lagartixas, de garças, de raras linguanas e de cobras que por vezes se entremeavam, de cabeça erguida, no nosso meio à procura de sossego ou da outra margem, sem contar com os crocodilos que, sempre que alguém gritava lagarto saltávamos em debandada para fora da água. Apesar de alguns terem dito que lhes viam, ali na segunda ponte, nunca os vi. Inventávamos os saltos mais arrojados para a água em especial o “arratchacoco” que repetíamos vezes sem conta em cima dos mais incautos.
Outras vezes, num grupo mais pequeno embarcávamos na lancha “Barreiro” ou no pequeno “Gouveia 16” e íamos para o ilhéu do Rei com os operários da fábrica de óleo de amendoim. Esta aventura era somente para os mais destemidos e que aguentavam fome. Ali não havia árvores de fruto ou quem se condoesse connosco. Voltávamos cedo e durante dias sentíamos o odor do óleo de mancarra para onde fossemos. Por vezes, caminhávamos bem mais longe. Até vermos Cumeré do outro lado de um pequeno rio lodoso, o Impernal. Outras vezes ainda caminhávamos alegres, nus ou semi nus, com a roupa enrodilhada na cabeça, cana de pesca no ombro e a indispensável fisga ao pescoço, sempre em bicha de pirilau, através dos diques das bolanhas e canaviais, através de grandes extensões de terra alagada, até sairmos atrás do quartel de Santa Luzia e entrarmos na Granja do Pessubé. Aqui, num jogo de esconde-esconde com os guardas, surripiávamos fruta e nos banhávamos, se possível, no tanque que apelidávamos de piscina. Depois, ao anoitecer, era o regresso ao Bissau Velho sem sapatos ou algumas peças de roupa, arrependidos e com promessas repetidas de que nunca mais faríamos a pirraça de faltar às aulas. A entrada no Bissau Velho despertava em todos o receio das cintadas ou da palmatória de cinco buracos. Dividíamos no Zé da Amura para não dar nas vistas.
Pai fora e madrasta ocupada com afazeres profissionais. Vida boa. O que mais poderia almejar naquela idade? A vontade de continuar livre foi tanta que após um bom final de exame do segundo grau disse orgulhoso a uma vizinha da minha Mãe, perante um olhar dela de comiseração e surpresa, que não tencionava mais voltar à escola porque o meu Pai tinha dito que para ser pescador não era preciso mais que a quarta classe. Ainda acabei, por alguns meses, como aprendiz de mecânico, nas oficinas navais.
Mas antes, num certo dia, numa das inúmeras passagens pelo porto do Pidjiguiti, após as aulas, soube que a canoa a motor de cerca de nove metros a flutuar desajeitadamente a uns metros, para além da cabeça de ponte, era do meu velho e que se prestava a sair com a vazante, de regresso aos Bijagós. Não hesitei e arranjei forma de embarcar. Ninguém mais conseguiu de lá me tirar por mais argumentos que me fossem apresentados.
Época das chuvas, com uma brisa irregular do Sudoeste, horizonte escuro lá para os lados de Tite e de Enxudé a avisar da aproximação de um tornado e mar algo encapelado lá fomos, meia força avante, apontando, num fim de tarde triste, para a embocadura desse largo rio de onde por vezes não se via a outra margem.
Uma hora depois, resguardado, por uma manta fortuita do arrais Nhô André, compadre do meu velho, fascinou-me ver a água fosforescente a deslizar para trás, as luzes de Bissau a desaparecerem e um farol, o Pedro Álvares, muito ao longe pela proa, por vezes, a piscar. O bater compassado do esporão da canoa nhôminca a cortar as ondas altas, as inclinações laterais e a chuva miudinha pouco me amedrontaram. Sentia-me o herói de uma aventura da banda desenhada do Príncipe Perfeito e do Simbad.
Mesmo assim, lá para as nove, já com a lua a iluminar o rastro deixado pela canoa, após ter tentado imitar os outros, mijei em equilíbrio precário para sotavento, mastiguei a custo um pão duro e bebi, por um dos orifícios, quase meia lata de leite condensado que me deram. Adormeci depois todo enrolado e a tiritar em cima de uma prancha, logo a seguir à arca de gelo.
Uma avaria inesperada no único motor, ao largo da ilhas das Galinhas, faria com que continuássemos, a custo por causa da enchente, à vela e a remos até ao nascer do sol. Lá pelas nove, já com a força da maré de vazante, desembarcamos, perante a fuga de mais de uma dezena de macacos e debandada ocasional dos habituais caqres, numa praia da lindíssima ilha de Rubane. O meu primeiro desembarque de muitas outras paragens pela maioria das mais de 60 ilhas e ilhotas. Achei que aquela paisagem deslumbrante seria a tradução do que deveria ser o paraíso. E nunca me arrependi desse juízo. A viagem continuou ainda para uma outra ilha (Canhabaque) algumas milhas adiante, para recolher o meu Pai, que um dia quase que se tornava um nobre desse pequeno reino dos Bijagós. Muito certamente o primeiro espaço da África negra a sofrer um bombardeamento aéreo na guerra dos Bijagós de Canhabaque contra os poderes coloniais por volta da década de 20 do século passado. Só seriam considerados completamente pacificados após sucessivas campanhas que terminaram em 1936.
Mas, depois contar-te-ei com mais detalhes e também do meu encontro com um pai assustado até dizer chega, por ver a loucura que eu tinha feito e naquelas condições de tempo. O meu receio de poder levar uma valente sova quando ele me visse e as ilhas que percorremos, numa breve semana, até retornar, a toque de caixa, a bordo do lento e estafado “Ametite”, à enfadonha turma da quarta classe da Escola Oliveira Salazar, em Bissau. Poucos dos colegas acreditaram que tinha feito tamanha proeza por ser dos mais novos, franzino e não passar de um brancucinho, que apesar de brigador e rápido, jogava desajeitadamente à bola e que até ia para a escola de tchacual. Ainda hoje, julgo que partilho da mesma praga que tombou sobre Cassandra.
Até aos meus 21 anos nunca mais lá deixei de ir sempre que podia. Aprendi com vários arrais, sem cartas e ou outros instrumentos, a não ser a bússola, a navegar no arquipélago, aproveitando as estrelas à noite e o pulsar regular das marés, por entre aquelas ilhas e canais, ao ponto de, aos 13 anos, levar o “LP3” de Bissau a Bubaque e regresso, sem supervisão do arrais, sem encalhar e demorar mais tempo. Surpreendia-me sempre o Arrais Avião, cego de um olho, que me instruía assim “segue paralelo à Sogá, passa o canal de Bubaque, até veres a ponta mais afastada de Rubane, aproas à ponta e deixas a popa na extremidade norte de Sogá até estares dentro do canal. Atenção ao descaimento provocado pela enchente e na vazante à malhadeira na ponta de Bubaque à entrada do canal”. Um autêntico desafio seguir estas instruções na roda do leme. Umas vezes de canoa a remo ou à vela ou outras vezes no barco de pesca e navios de passageiros fui conhecendo o último paraíso desta costa africana que até há pouco tempo ainda detinha resquícios de uma sociedade matriarcal.
O site dar-te-á o alumbramento do que pude ver pela primeira vez. O encanto das ilhas, suas gentes, flora e fauna nunca se perderam dos meus olhos apesar de ter percorrido mais de meio mundo e visitado lugares exóticos. Vê e diz-me se não é mesmo um paraíso o que descobri ainda na infância
.

9.9.07

Texto plexo sem nexo

Ouves o esvoaçar da Borboleta Negra? Aquela que abre as asas na madrugada do teu sonho, te roça a face no repouso mais profundo e cresce cresce amadurece. Sufocas o pressentimento, mudas de posição e quando por fim entreabres os olhos… lá esta ela feita o caos da tua vida. - Voa voa borboleta… sussurras quase inconsciente. É então que te recordas daquela vez em que a viste, ainda menina, no vão escuro da escada. A humidade sufocava, o silêncio do meio-dia ardia. Tocaste-lhe. Ela espreguiçou o tempo nas asas aveludadas de negro e voou… .............Fotografia de Jayne Hinds Bidaut

31.8.07

Curtas, Ideias e Neuras

Regressei ao trabalho, silenciosamente, desde o início da semana.
Ferias na Praia em pleno mês de Agosto… calor, falta de água, falta de luz e sei lá mais o quê. Já foi tudo dito. Para contrabalançar ficou a observação do Guilherme que “Praça d’ Praia (Cruz do Papa) é más sáb! Ten baloiço, ten scorrega. Praça de Soncent ten só tanque! …e baziu”, rematou a Andreia sabiamente. Eu bem que desconfiava... eh eh!
Mudando de assunto…
Ocorreu-me que poderia contar o porquê do apelido (e do nome do blog) Amante da Rosa. É uma estória engraçada. O meu pai também me ofereceu um texto interessante sobre as memórias dele das ilhas dos Bijagós (Guiné Bissau). Falta somente formatar e acrescentar imagens. Outras ideias surgiram e apagaram-se com a mesma velocidade.
Entretanto…
Acho que todos os que têm um blog já sentiram, alguma vez, aquela vontade de deletar tudo muito pura simplesmente (e pronto e mais nada!). Desde ontem que ando assim. Motivos? Mil e um. Falta de inspiração, porque chove e a cidade está caótica, porque é tempo de despedidas, porque... porque... Tenho é uma graça muito grande de explodir no ar, assim como no poema:

"Era Verão, havia o muro.
Na praça, a única evidência
eram os pombos, o ardor
da cal. De repente
o silêncio sacudiu as crinas,
correu para o mar.
Pensei devíamos morrer assim.
Assim: explodir no ar."
Eugénio de Andrade
Obs: Fotografia daqui.

3.8.07

Harry Potter, Socrates, o Amor e a Imortalidade

Adoro a série do Harry Potter. Adoro! e mal posso esperar que me chegue às mãos o último livro, ainda que com muito tristeza, pois, oficialmente, a saga termina no sétimo número. Procurando algo sobre o livro, encontrei este texto que gostei muito e do qual destaco este trecho:
“A visão que Sócrates tem do Amor é a seguinte: considera o Amor um intermediário entre os deuses e os homens – um dáimon -, que origina no homem o desejo de ser mais que mero animal, mais que matéria. O Amor nos situa entre o mundo físico e o mundo espiritual (ou mundo das ideias, como Platão gostaria). Este dáimon, filho da Penúria e do Engenho, faz a ponte entre o mundo ideal e o mundo material, o qual Platão considera uma consolação ridícula, uma cópia mal feita do mundo das ideias puras. Para Platão, esta proximidade dos mortais para com os deuses –que nos consola a penúria da condição biológica - é alcançada através do Belo e do Bom. Quanto mais ideal, mais virtuoso for o objecto do amor de um homem, mais próximo dos deuses ele estará. E mais próximo ainda de alcançar o que todo homem almeja: felicidade (eudaimonia). O Belo, por sua vez, podemos amar numa pessoa, ou na ideia de Beleza, pura e simples. Platão prefere a última, por ser mais filosófica (e o filósofo, para Platão, nada mais é que um dáimon entre os homens, a encarnação do Amor pelo conhecimento(...). Assim, movidos pelo amor, geramos algo no Belo, utilizando o engenho que o Amor herdou de seu pai. Este engenho pode ser chamado de inspiração poética, de bravura, de inteligência, perspicácia, rapidez. O amor por trás de todos estes aprimoramentos do ser humano é o verdadeiro protagonista da série (Harry Potter). O Amor, resumindo bastante, nada mais é que o tónico que nos impele a ser imortais. Só que esta imortalidade não é construída por Horcruxes ou coisitas do género. A imortalidade socrática é a imortalidade da substituição: geramos no Belo. Filhos, poemas, leis e grandes obras, de modo a “gravar” em matéria a Beleza e a Bondade que o homem conquistou em vida. Gerar algo novo para ficar no lugar do velho (de si mesmo), que perece, vira pó. Assim, gera-se a imortalidade dos grandes poetas, dos grandes homens e mulheres.”
.
Bem hajam e até daqui três semanas… vou de ferias.

30.7.07

Elza Soares e Jorge Aragão


Para agitar esta Segunda Feira de chove não molha... Vamos lá!!

22.7.07

Linhas Férreas em Cabo Verde - por Salomão Vieira - Parte II

2. Outras vias férreas em Cabo Verde
Nenhuma outra ilha de Cabo Verde teve caminhos-de-ferro do tipo dos caminhos-de-ferro salineiros construídos na ilha do Sal.
Porém na ilha de S. Vicente, no Porto Grande, Mindelo, diversas pequenas vias férreas existiram desde cedo (desde 1853) para o transporte do carvão dos depósitos para os navios.
Em 1925 as 3 casas carvoeiras existentes – Miller & Corys, Co, Wilson e S. Vicente Coaling, Lda, tinham todas as suas linhas férras; a St Vicente Coaling usando sistemas já mais complexos (4 vias férreas de bitola larga e muitas wagonetes nos seus depósitos de carvão, segundo uma fotografia da época).
Grandiosos projectos da casa Blandy em 1912 com 2 vias férreas que saíam do porto, e outros em 1925 que incluíam 12 km de linhas férreas, diversas zorras e também 2 carruagens automotoras para transporte de passageiros e 2 carruagens mistas para passageiros e cargas não tiveram qualquer concretização.
Também na ilha de Santiago, no porto da Cidade da Praia se vêem, em postais da época, duas pequenas vias férreas na ponte de desembarque.
Nunca, porém, que conste, se utilizou nelas outra tracção que não a humana, mesmo quando modernos sistemas de tracção estavam já em uso nos guindastes dos portos.
Referências entre os anos de 1913 e 1915 no Jornal do Comércio e das Colónias, de Lisboa, sobre projectos de caminhos-de-ferro, funiculares e aéreos, na ilha de Santo Antão não passaram de equívocos a propósito da construção de um túnel para estrada.
3. Algumas citações sobre as salinas e os caminhos-de-ferro da ilha do Sal
Em “A ILHA DO SAL DE CABO VERDE”, por Joaquim Vieira Botelho da Costa – Boletim da Sociedade de Geografia nº 11 de 1882: “Com o espírito arrojado que possuía (o Conselheiro Martins) nesse ano de 1836 fez assentar o referido caminho-de-ferro, de cerca de 1,5 Km que saindo da salina vinha entestar no lugar de embarque. E foi essa a primeira via férrea assente em território português, bem, como foi o primeiro o túnel por ele mandado abrir no monte da Pedra Lume. Por aquele caminho-de-ferro era conduzido o sal em wagonetes ... que, puxados a muares, o levavam aos depósitos donde em balaios era embarcado à cabeça de mulheres. Se o vento estava de feição, isto é, de NE, supriam as velas, que adaptavam aos carros, ... vindo então os carros da salina puxados pelo vento, e retirando (descarregados), impelidos a braços.”
Em “DESCRIÇÃO DA ILHA DO SAL” por Sócrates da Costa - Revista Colonial, números de Outubro e Novembro de 1888: “Foi o Conselheiro Martins que ali construiu (na ilha do Sal) para o tráfego das salinas o primeiro caminho-de-ferro que houve em toda a monarquia portuguesa.”
4. Bibliografia consultada
Imprensa da época: O Século, Jornal do Comércio e das Colónias, Boletim da Agência Geral das Colónias, Revista das Colónias, Revista de Obras Públicas, Bol. da Sociedade de Geografia, Portugal em África, O Futuro de Cº Verde, A Voz de Cº Verde, Bol. Oficial de Cº Verde. Obras e artigos: “A Ilha do Sal de Cabo Verde”, por Joaquim Botelho Pereira da Costa, Cabo Verde, 1882. “Considerações sobre Cº Verde”, Antº Alfredo Barjona de Freitas – Livrª Férin, Lisboa, 1905. “Subsídios para a História de Cº Verde e Guiné”, Crisóstomo J. de Sena Barcelos, Lisboa, 1911.
“Subsídios para a Indústria de Cabo Verde”, por Augusto Barros, S. Vicente, Cabo Verde, 1916.
Obs: 1ª e 2ª Ilustrações aqui e a 3ª aqui.

21.7.07

Linhas Férreas em Cabo Verde - por Salomão Vieira - Parte I

... ou O PRIMEIRO CAMINHO-DE-FERRO EM DOMÍNIOS PORTUGUESES
Artigo publicado na revista “Bastão-Piloto nº 214, Março-Abril de 2002

Durante o ano de 2001 completaram-se os 145 anos dos caminhos-de-ferro portugueses, tendo em conta que foi em 1856 que foi inaugurado o primeiro troço ferroviário da futura rede de caminhos-de-ferro portugueses. Mas terá sido esse de facto o primeiro caminho-de-ferro instalado em domínios portugueses?

1. As explorações salineiras na ilha do Sal, em Cabo Verde, no Séc. XIX
Para responder a esta pergunta temos que recuar a 1796, data em que Manuel António Martins, chegado a Cabo Verde 4 anos antes, num navio, posteriormente naufragado nos Açores, desembarca no Portinho, no centro-leste da ilha do Sal, que estava então desabitada, e encontra próximo dele um monte circular, o monte da Pedra Lume, tendo no centro um lago que produzia sal que lhe pareceu de excelente qualidade.
Decidiu-se se imediato a explorá-lo. Dado que o transporte do sal da salina da Pedra Lume para o porto era extremamente difícil – era necessário subir as paredes da salina e descer depois o monte até ao mar – Manuel António Martins em 1804 mandou abrir um túnel na base do monte que simplificou de imediato o transporte. Este túnel, completado em 1808, custou-lhe a quantia de 30.000 cruzados.
Preparava-se mais tarde para novas iniciativas na Pedra Lume quando descobriu no sul da ilha uma nova salina cujo sal lhe pareceu ainda de melhor qualidade, pelo que passou a dedicar a esta nova salina toda a sua atenção. Para o desenvolvimento da salina era necessário fixar população na ilha e por isso mandou vir da América casas de madeira, o que fez com que em 1836 já houvesse 12 famílias na ilha do Sal, tendo sido este o início da futura povoação de Santa Maria.
Para facilitar o transporte do sal, sempre difícil através dos terrenos arenosos da ilha tomou nova iniciativa: em 1836 “mandou vir de Inglaterra o primeiro caminho-de-ferro que se assentou em domínios portugueses, bem como os respectivos carros para o transporte do sal”. O caminho-de-ferro foi montado e começou a funcionar em 1837, ano em que em Portugal ainda se curavam as feridas da guerra civil fratricida e quando ainda se estava longe de pensar em tais modernidades.
(Convém referir que o sal tinha então mercado certo no Brasil, que importava desta ilha a maior parte do que consumia. Devido às referidas actividades de Manuel António Martins a exportação de sal passou de 150 a 200 moios em 1836 para 2.000 moios depois da construção do caminho-de-ferro. Nota: 1 moio de sal = 2.400 litros).
Qual a tracção utilizada? A tracção humana, certamente, que em alguns casos mais se poderia chamar de desumana. A tracção animal, também, com gado muar. Porém era difícil a criação de gado na ilha, e em anos muito secos o gado morria à fome. Por isso desde o início se usou também a tracção à vela (uma inovação e uma raridade) para o que se fizeram as necessárias adaptações aos carros. A tracção à vela foi o único meio de tracção não humana quando alguns anos mais tarde a seca dizimou todo o gado existente na ilha.
Os autores da época conheciam bem estes factos e não se cansaram de salientar o pioneirismo das iniciativas de Manuel António Martins, de cujos elogios daremos no final alguns extractos.
Aliás a vida de Manuel António Martins foi de facto recheada de tantos e tais episódios que mostram o que era a vida por aquelas paragens então. Preso por uns, nomeado Prefeito das Ilhas por outros, novamente perseguido e preso, e novamente recompensado com o título de Conselheiro, assim viveu até ao seu falecimento em1847. A sociedade comercial que constituíra continuou com o nome de Viúva de Martins & Filhos, vindo a pedir em Janeiro de 1849 “o privilégio por 30 anos para que na ilha não pudesse estabelecer-se nenhum outro caminho-de-ferro”, pois que “pretendia construir um cais e assentar novos rails de caminho-de-ferro, mas temiam a concorrência”. Pedido indeferido em 1850, “pois que não podia haver privilégios”.
Assim em 1860 aparece João José da Vera Cruz, casado com uma neta do Conselheiro Martins, que solicita e obtém concessão para construir uma ponte de madeira e um caminho-de-ferro para exportação das suas concessões salineiras (B.O. de Cabo Verde, 08.12.1860). O caminho-de-ferro desta casa ficava no lado leste da povoação, tendo algum tempo depois construído uma segunda ponte com um ramal a ligá-la à linha principal. Depois, em 1869, é a vez de 2 netos do mesmo conselheiro constituírem a firma Machado Irmãos e construírem também uma ponte e um caminho-de-ferro com vários ramais no lado oeste da povoação. A povoação de Santa Maria era então atravessada por 3 caminhos-de-ferro, mas em breve o central, que fora construído pelo Conselheiro Martins, era abandonado e em 1877 os herdeiros tinham já desmantelado tudo.
Qual a bitola destes pequenos caminhos-de-ferro com uma extensão máxima de cerca de 1,5 km, fora as ramificações nas salinas e junto às pontes de embarque? Não o sabemos directamente. Mas num relatório de recomendação de caminhos-de-ferro idênticos para as outras ilhas salineiras, a do Maio e a da Boa Vista, sugeria-se a linha Décauville, com a bitola de 60 cm, em carris de aço de 7,5 kg, como sendo a mais adequada, podendo então supor-se que essa seria a bitola e o tipo dos caminhos-de-ferro da ilha do Sal (In “Subsídios pª a Indústria de Cabo Verde”, por Augusto Barros).
A indústria do sal continuou próspera (25.000 tons. de exportação por ano) até que em 1887 o Brasil decidiu sobrecarregar as importações do sal com tais alcavalas que o comércio da ilha do Sal decaiu estrondosamente e no final do séc. XIX estava quase extinto. Porém no início do séc. XX voltou a animar-se com a abertura de novos mercados na costa de África, e é assim que em plantas de pormenor da povoação de Santa Maria lá vemos assinalados os 2 caminhos-de-ferro anteriormente referidos, sendo que num mapa de 1902 vemos assinalados na povoação a leste o caminho-de-ferro da casa Vera Cruz e a oeste o camº-de-ferro da casa Fonseca Santos & Viana.
Por volta dos anos 20 encontramos mapas da ilha do Sal onde aparecem referidos caminhos-de-ferro: não só a sul, junto de Santa Maria, mas também na Pedra Lume, havendo indicações de que em 1911 aqui teria sido instalada uma linha férrea Décauville do porto à salina, pelo túnel construído um século antes pelo Conselheiro Martins. E em mapas posteriores (anos 50) vê-se na Pedra Lume a indicação, não já de um Décauville, mas sim de um teleférico que teria sido então construído para o mesmo fim.
E coube assim à ilha do Sal a glória de ter sido a primeira parcela dos domínios da coroa portuguesa a receber o extraordinário melhoramento que era no séc. XIX o caminho-de-ferro. Caminhos-de-ferro pequenos, minúsculos, é certo, mas úteis, operacionais, os primeiros e ... à vela também.

20.7.07

Bem menos do que seis degraus de separação

Há uns tempos perguntava um professor meu se aqui também “postava” contribuições de outras pessoas… se convidava alguém para escrever? Respondi que não. Pois hoje digo que sim! O artigo que se segue, e que vem dividido em dois posts (logo em cima) é de autoria do Sr. Salomão Vieira. A quem agradeço muitíssimo pelo contributo. A internet tem dessas coisas… diminuir substancialmente os tais seis degraus de separação e aproximar as pessoas que têm interesses comuns ou semelhantes. O Sr. Salomão chegou ao blog por causa do post “Salins du Cap Vert” e o seu “conhecimento das salinas da ilha do Sal (...) vem (do) interesse geral pela história dos caminhos-de-ferro em Portugal e no ‘Ultramar’.” Trabalhou “vários anos em África, em Moçambique, Angola e S. Tomé (…). Assim quando soube que na ilha do Sal tinha havido caminhos-de-ferro, o (seu) interesse foi despertado para o assunto e decidi(u) investigá-lo um pouco mais.” Disse o ainda o Sr. Salomão Vieira: “Calcule a minha surpresa quando vim a saber que o caminho-de-ferro na ilha do Sal foi o primeiro caminho-de-ferro assente em domínios portugueses de então, muito antes de se começarem a assentar caminhos-de-ferro em Portugal ‘Continental’." Os posts que se seguem são um resumo do que ele conseguiu descobrir…
Obs: Mais fotografias antigas de São Tomé e Prícipe aqui.

19.7.07

O Pescador

(...)
Não pesco só nas águas mas nos céus
e a minha pesca é quase uma oração
porque dou graças sem saber se Deus
é sim ou não."
.
A legenda da fotografia diz o seguinte: Cape Verde. Tunafishing between the islands Sao Nicolau and Sao Vicente. Tunafishing is practised with line and bait. In small boats fishermen sail at sunset to trace tuna on their way to European coasts. After the line is drawn a long wait starts. When a tunafish touch the bait the fisherman will awake and the battle starts.
.
É uma imagem que transmite muita paz e liberdade. Quase que se pode ouvir a brisa, os salpicos das ondas e o balançar do bote. Pensar que ele se prepara para a luta...

27.6.07

Salins du Cap Vert

A imagem do post é uma acção ao portador, no valor de 100 francos, emitida pela da sociedade anónima “Salins du Cap Vert” que, em meados dos anos vinte do século XX, detinha um capital de 5.000.000 francos. Encontrei também um outro exemplar (com os coupons!) à venda no ebay. Hoje esses documentos têm muita procura entre coleccionadores da área. Num futuro próximo conto pesquisar mais sobre a história da "Salins du Cap Verd" pois... foi com surpresa que descobri que a sociedade ainda existe (verificar aqui e aqui). Chamo a atenção para o óptimo estado de conservação da acção e a simplicidade da ilustração por contraste à beleza do documento no seu todo (clicar na imagem para ver melhor os detalhes). Muito interessante.
Sobre Pedra de Lume... acredita-se que o primeiro registro que menciona a existência das salinas remonta a 1506/1508 e foi feito por Valentim Fernandes. Nesta página há informações boas e resumidas, com direito a uma "visita guiada" e tudo. Acho que aos poucos vou saldando as minhas contas com as ilhas. Prometo voltar com mais "velharias" brevemente.
P.S. Entretanto... recomendo a leitura deste artigo para quem deseja saber, de forma esclarecedora, as vantagens que existem quando se pretende investir em acções (ou obrigações) em Cabo Verde. Eu cá volto a mergulhar a cabeça nos livros... falta de tempo é triste. Ah mâ sebérba já tâ pagá culpa!

19.6.07

Cize cantando "Ausência" de Goran Bregovic


Algumas informações sobre o autor e a música aqui e aqui. Não ouvia esta musica há muito muito tempo... acho que vou fechar os olhos e sonhar. Ah! A letra pode ser lida aqui.

13.6.07

Lavores - Praia 1946

Esta fotografia pertence ao acervo das Irmãs Missionárias do Espirito Santo e está neste site com a seguinte legenda: "En 1946, les Spiritaines débarquent à Praia, au Cap-Vert. Elles s’engagent au niveau de la formation féminine." Como já devem ter lido sobre a minha paixão por fotografias antigas, escuso-me a mais comentários maçudos.

5.6.07

A morte de Marcus Lopius

"(Em Agosto de 1788) o diário da chalupa Washington, de Boston, regista a morte de Marcus Lopius, um tripulante admitido em Cabo Verde. Lopius (Lopes) foi morto por índios Tilamook na costa do Oregão (...). O local da morte seria chamado mais tarde Murderer's Cove (Angra do Assassino). O navio fazia parte da expedição que "descobriu" o rio Columbia e abriu o comércio de peles naquela região. Este é o primeiro registo de um africano na região do Nordeste Pacífico." Parágrafo retirado daqui e imagem ilustrativa aqui. Existe um número razoável de sites na net que relatam a morte de Marcus Lopius. Uns contam que ele, ao perseguir um índio que tinha roubado um objecto da tripulação ou do barco, caíu numa emboscada traiçoeira e foi assassinado (ler mais em "comentários" do post), outros afirmam que o objecto roubado lhe pertencia, como nesta versão aqui: "... at first the Americans had no trouble with the natives but on August 16, the Indians made a murderous assault and killed Gray's cabin boy, Marcus Lopius, the first person of African decent to reach Oregon. Lopius, who joined Gray's 1788 trip to the Northwest native Cape Verde Islands, was exploring near present-day Bayview, on the northern edge of Tillamook Bay, when he realized an Indian had stolen his knife. When the young sailor tried to recover his property, he was murdered." Face ao que aconteceu, não resisto a pôr a exclamação da pessoa que me enviou a estória e alguns dos links, afinal... "Eis a prova de que o homem era caboverdeano. Crioulo não leva desaforo para casa mesmo... (...) foi morto pelos índios porque lhe roubaram a navalha e não quis deixar em branco!!!."

30.5.07

O significado do peixe

fotografia de autor desconhecido
Há alguns meses encontrei por acaso esta fotografia na net e guardei-a no meu arquivo de imagens. Não sei de quem é e das muitas vezes em que tentei identificar o autor e/ou o site deu em nada. Lamento. É uma imagem poderosa e, para mim, angustiante. Publico-a, mesmo sem identificação, porque vale a pena. Acho que percebi o porquê da aflição... é aquela linha de força imaginária, a diagonal que vai desembocar no peixe sobre a tábua. Ainda bem que isto de inspiração e versos anda mau ou sairia um daqueles poemas de fugir... sobre ausência.

29.5.07

Um Post e uma Tese de Doutoramento

Há um dia ou dois que andava meio desconfiada com o numero, cada vez maior, de visitantes aqui no blog. Isto sempre foi meio intimista (pouco conhecido - é mais correcto) e de repente passo a ter mais visitantes num dia do que numa semana inteira. 20, 30 e 40 visitantes! Wow! Desvendei o mistério. Os novos visitantes vêm todos do blogueforanadaevaotres que fez um post sobre o meu post. É engraçado e espero que seja uma descoberta agradável para os visitantes que por cá passem pela primeira vez.
Fiquei mesmo foi com muita vontade de ler a tese de Doutoramento em História Contemporânea - Guerra colonial 'versus' guerra de libertação: o caso da Guiné-Bissau - do Professor Doutor Leopoldo Amado. Quem sabe um dia... o lançamento... aqui em Cabo Verde, uh?

22.5.07

Links a descobrir

E como o tempo não é muito, deixo aqui 3 links com informações interessantes sobre comunidades caboverdeanas na Inglaterra, Estados Unidos e Senegal, respectivamente: "Remembering Slavery: Cape Verde to Cardiff", "Cape Verdean Heritage on Nantucket" (com muitas fotografias) e "The French Speaking Creoles of Cape Verde". O artigo sobre o Senegal sabe a pouco. Gostava de poder encontrar mais informações sobre comunidades de caboverdeanos noutras partes de Africa.
Obs: Gostei tanto desta fotografia que a "roubei" daqui. Ela chamava-se Celestina Andrade, nasceu em 1893 na ilha da Boavista e emigrou para os EUA em 1915.

8.5.07

Blogueforanada - sem palavras.

Muito ouvimos nós, a geração das Flores da Revolução de Bissau, falar da luta da libertação nacional que decorreu nas matas da Guiné e dos nossos bravos combatentes e libertadores da pátria amada que lutaram corajosamente contra os tugas colonizadores (assim era a linguagem, não há enganos). Enfim... Jovens cheios de ideais nobres que combateram contra outros jovens, alguns renitentes e outros "impregnados ainda dos ideais de um império moribundo" como alguém me disse.
A parte dos combates foi sempre muito abstracta e idealizada na minha mente. Uma de mistura de memórias de criança com imagens do filme "Mortu Nega" e uns salpicos daquelas elipses convenientemente cinematográficas, onde se leva o espectador directamente para o que interessa, sendo dispensado de ver a parte chata e sobretudo, sem aflorar a tragédia que está por detrás da rotina dos acontecimentos. Gostaria de poder acreditar que, da minha parte, foi uma negação mascarada de ingenuidade.
Mas... e o concreto? O sangue, os massacres de populações civis indefesas, os fuzilamentos, as luta corpo a corpo? As situações mórbidas que poucos têm coragem de perguntar e que, muitos dos que levaram a cabo essas acções, não gostariam de se lembrar?
Há blogs engraçados, curiosos, originais e há blogs que me provocam, literalmente, uma reacção orgânica qualquer que não consigo explicar. O blogueforanadaevaotres editado por Luís Graça é um deles. Narrado quase sempre na primeira pessoa, relata o historial da guerra na Guiné e como foi vivido pelos portugueses. Está tudo lá! São descrições, factos e memórias impressionantes. Conforme ia lendo só me ocorria uma palavra - Catarse.
Não se consegue ler tudo de uma vez e o que se vai descobrindo arrepia. Arrepia a estória de Uloma, o comando africano “caçador de cabeças”. Sobressalta o alegado número de fuzilados que o historiador Leopoldo Amado avança e surpreende saber que o Supervisor da 1ª. Companhia de Comandos Africanos e Director de Instrução de Cursos de Comandos em Fá Mandinga, que se chamava Octávio Manuel Barbosa Henriques, nasceu em 18 de Novembro de 1938, na Freguesia de Nª. Sr.ª da Conceição, ilha do Fogo.
É o outro lado e há muito a descobrir...
Já agora... Recomendo a visita a esta página, também no mesmo blog, que tem informações interessantes sobre a força expedicionária portuguesa em que passou por São Vicente durante a II Guerra mundial.

6.5.07

Um Ano...

For last year's words belong to last year's language
And next year's words await another voice.
T.S. Eliot

10.4.07

Ilha do Maio em 1887 e noutras eras.

Escala: 1:100000 - Publicação: 1887
Suporte:
papel - Tamanho: 46x33cm
Obs: clicar no título/link para ver melhor a imagem do mapa.
.
Procurando textos sobre a ilha do Maio para "ilustrar" a imagem do mapa, encontrei informações muito interessantes.

Em 1970 foi publicado o livro Geologia da Ilha de Maio (Cabo Verde) de autoria de António Serralheiro. O pequeno resumo que consta do catálogo online começa assim: "Na ilha de Maio as rochas sedimentares mais antigas ocupam grande área e datam, possivelmente, do Jurássico superior (...)". Já me tinham dito que as ilhas do Maio, Boavista e Sal eram as mais velhas do arquipélago, no entanto "em quase todas as ilhas de Cabo Verde existem formações sedimentares. Um dos primeiros cientistas que a eles se referiu foi DARWIN, aquando da viagem da BEAGLE, em 1833". Contudo "(...) as formações sedimentares mais antigas, existentes no arquipélago, de idade mesozóica, apenas se conhecem na ilha de Maio." - As duas últimas citações também são do mesmo autor e estão num outro livro.

8.4.07

Planta incompleta do Mindelo, publicação de 1888

.
Nota explicativa do Mapa: Descoberta da ilha: Em 1465 / Descobridores: Antonio de Nola e Luiz Cadamosto / Situação: Lat. N 16.º 54.’ Long. W 25.º 4.’ Green. / Numero de fógos em 1887 – 1.561 / Numero de habitantes em 1887 – 5.377 / Data da fundação da cidade: A ilha foi mandada povoar em 1781, mas só em 1795 vieram para aqui alguns colonos – escravos e alguns casaes de João Carlos da Fonseca donatario da ilha. Foi elevada a cathegoria de cidade por alvará de 30 de Setembro de 1879. / Edeficios publicos: Palacio do Governo, Quartel militar, Paços do Conçelho, Alfandega e Lazareto.
Obs: clicar no título/link para uma excelente visualização do mapa.
Impressionante como a parte antiga permanece ainda hoje.

26.3.07

George S. Lima - a Tuskegee Airman

Existem inúmeros casos de adaptação bem sucedida entre descendentes de caboverdeanos na América. De vez em quando, nas minhas navegações e “esgrovets”, descubro alguns. A história da vida de George S. Lima é um desses exemplos. Filho de Anna Morais Silva e de Manuel Duarte Lima, naturais, respectivamente, das ilhas da Boavista e de São Nicolau, vem a nascer, em 1919, já na América, em Massachusetts mais precisamente. Tem um percurso de vida extraordinario, o qual destaco aqui (e apenas) o facto de ter pertencido a uma elite de pilotos afro-americanos que participou, com distinção, na II Guerra Mundial. E porque não tenho tempo para desenvolver mais, deixo uns links sobre: o documentário (que deu origem á imagem que ilustra o post); um artigo alargado sobre a vida dele; uma pequena biografia; algumas fotografias; o site oficial dos Tuskegee Airman, ao qual pertenceu, e outras informações da Wiki. Por vossa conta fica a descoberta da faceta de "Civil Rights activist" e o empenho demonstrado, num trabalho de anos, pela boa integração da comunidade caboverdeana radicada nos Estados Unidos. Inspirador!

19.3.07

"Terra Estrangeira"

Encontrei! Este é o cartaz do filme de que falei no post anterior. Lembrava-me porque foi algo que me marcou. Escrevo de memória mas tenho a certeza que na altura, em entrevista à TNCV, alguem da equipa de rodagem (o realizador?) disse que o filme tinha sido feito muito por causa dessa imagem poderosa... o navio encalhado. Quem quiser saber mais pode ler a ficha tecnica ou uma das muitas análises que se encontram on line. Transcrevo 2 frases de uma crítica: “Um instante filosófico, repleto de poesia, paira na cena do velho navio encalhado no mar, impossibilitado de seguir ou retroceder, tal como os dois personagens que permaneceram estáticos dentro do contexto da marginalidade, numa vida reticente, envelhecida, como uma matéria bruta, ou como o velho navio enferrujado que não alcançou o seu destino.” O filme tem também "(...) imagens (que) trazem uma qualidade artística rara em filmes brasileiros, com efeitos de iluminação sofisticados, uma belíssima fotografia (…). Aliás, foi editado um livro, com fotografias tiradas directamente dos fotogramas do filme. Penso que serão 10, os anos que separam as duas imagens, a do poster (1994/5) e a da fotografia do Miguel Mealha.
Obs: Acho que saldei (um pouco) as minhas contas com a Boavista, agora falta o Maio.

16.3.07

O Santa Maria

Fotografia tirada na ilha da Boavista. Para chegar ao local "seguir para a Costa da Boa Esperança - um vasto areal que se estende até à Ponta Antónia - onde, em 1968, naufragou o cargueiro espanhol Cabo de Santa Maria (cujos destroços são lentamente devorados pelo mar)." Instruções daqui. Para sentir um pouco mais a ilha recomendo este excelente artigo. Se bem me lembro... há um filme que foi realizado por causa deste cenário. Depois confirmo os detalhes e informo. Bom Fim de Semana!

11.3.07

A chuva do dia 28 de Agosto de 2001

Caboverdeano que se preze e goste de escrever tem de "botar" algo sobre a chuva… É sina. Vem isto a propósito de me ter apanhado a pensar no que não daria por uma boa chuva, miudinha, para limpar este tempo feio di pó di terra que nos assombra faz meses. E lembrei-me de uma crónica que escrevi sobre o tema. Saiu no Terra Nova de Agosto/Setembro de 2001. Transcrevo pela "originalidade", por ser totalmente extemporâneo, porque os problemas persistem, pela ironia q.b. e porque não me estou a ver a escrever algo do tipo quando a chuva vier, se bem que... como diz a Marisa, "inda Agost câ dà!". Chamava-se…

Manhã de Azagua
Chove lá fora… a Azagua começou. Sinto-me contente até ao momento em que uma pontada de ansiedade me atinge. Santa Barbara! Este vai ser um daqueles dias. Vou estar meio perdida a conviver com pensamentos dúbios aliados aos velhos sentimentos “chuvais” que nós, cabo-verdianos, carinhosamente cultivamos e que, as vozes da comunicação social, melhor do que ninguém, dão alma.
Sintonizo, no rádio, o programa “… a voz da alma creola – directamente da cidade do planalto…”, onde mais uma revelação da nossa constelação musical canta “camponês ca bô tchora, ca bô desespera… qui um dia tchuba ta bem”. Um sentimento de medo invade-me. Começou… Eu sei que isto é maso, mas é o lado sado que vence. Questiono-me se o locutor vai ler outro texto fresco e campestre da, habitual colaboradora, Cláudia V., mas logo a seguir venho a mim, se só ontem, a crónica da passagem da Assomada a cidade foi lida, tenho ainda alguns dias de ansiosa espera.
Prosseguindo… a voz de Bius encanta, com mais um tema musical sobre chuva, quando, mentalmente, me preparo, para à noite, na televisão, ver as batidas e rebatidas imagens dos meninos brincando nas poças de agua lamacenta, correndo barquinhos, molhando os pezinhos, prontos para mais uma desinteriazinha, enquanto nós, telespectadores, assistimos, alegremente descansados, com tanta incongruenciazinha. Desta vez sim, o Mamãe Velha (...) será bem encaixado. Tenho a certeza que a TCV vais começar o Telejornal com o poema musicado. Não, não sou adivinha, é o que vem acontecendo ano após ano. (...)
Mas temos chuva. Não importa que nas encostas, todos os anos as águas corram para o mar, engolindo mais punhados de terra arável. Que nas cidades, ruas se tornem intransitáveis, casas sejam inundadas e transeuntes se façam acrobatas. Temos chuva!
Sentimo-nos aliviados. O camponês está feliz! Uma vez mais, cumprirá o ritual da monda, mesmo que, tal como anteriormente, este ano, também não adiante muito. Ritos são ritos, ad eternun! E nós pensamos, reconfortados, que até temos um bom motivo para faltar ao emprego, mas isso dura, apenas, até ao momento em que nos lembramos que as nossas empregadas também o farão. Mas relevamos, pelo menos por alguns dias, relevamos. Estamos todos unidos no sentimento de sermos 100% cabo-verdianos e vivermos num país de amor e solidariedade.
A emissão prossegue. O programa “Voz Solidária” leiloa percentagens simbólicas de historias de miséria, para que, no aconchego dos nossos gabinetes climatizados, nas nossas casas estanques ou mesmo na rua, abrigados nos nossos carros, falando no terceiro telemóvel em dois anos, tenhamos motivos para nos condoer e comprar, publicamente, uma fracção dessa desgraça de não poder e não ter. Mas, logo de seguida, todo o sentimento é varrido, A voz eufórica do locutor, até há momentos sensibilizada, anuncia que “os agricultores estão felizes e prontos para o trabalho, com a magnífica chuva que cai…” e nós, apaziguados, damos graças a Deus. É tempo de Azagua!
Clara Vales
Mindelo, 28.08.01